Final Fantasy XIV: Primeiros passos para chegar em Eorzea

Depois de alguns anos afastando, resolvi voltar para visitar um velho amigo chamado Final Fantasy XIV, e posso dizer com tranquilidade que foi uma das melhores decisões que tomei em 2020 nessa parte de jogos. Um MMO que cresceu muito ao longo dos anos e se estabilizou como um dos grandes nomes do estilo.

Nessa nova parte da jornada, conversando com algumas pessoas, notei que muita gente até conhece o jogo, tem vontade de experimentar mas acaba deixando de lado por diferentes motivos. O fato do jogo não ter suporte oficial no Brasil também colabora para esse afastamento. Por isso resolvi tentar ajudar como posso com meus 2 centavos, pois cair de cabeça em Eorzea é mais fácil do que parece. Primeiramente vamos começar pelo basicão, que é criar a conta e entender as opções gratuitas e pagas para jogar. Mais pra frente podemos focar em alguma coisa sobre classes e conteúdos iniciais. Mas vamos do básico.

Final Fantasy Quem?

Final Fantasy XIV foi lançado em 2010 para PC e, sendo bem sincero, foi um desastre. Uma engine gráfica que não supria as necessidades de um MMO, erros graves de performance, sistemas de jogo quebrados, servidores problemáticos, etc. Enfim, uma catástrofe. Após mudanças na direção do jogo, que ficou a cargo de Naoki Yoshida como diretor, as coisas começaram a mudar. Em novembro de 2012 os servidores foram fechados para que, literalmente, um novo jogo pudesse tomar lugar.

Em 2013 chegou Final Fantasy XIV: A Realm Reborn para PS3 e PC, com uma versão de PS4 lançada no ano seguinte. FF XIV foi completamente refeito em uma nova engine gráfica, muito melhor otimizada para seu propósito. Quanto à história, A Realm Reborn se manteve no mesmo universo de Eorzea, dando continuidade aos eventos que culminaram na quase destruição do mundo antigo – um ótimo artificio de roteiro para explicar o fechamento dos servidores.

Desde então FF XIV cresceu bastante em conteúdo e popularidade. Após três expansões (Heavensward, Stormblood e Shadowbringers) é atualmente um dos MMOs mais populares do mercado. Já recebeu diversos prêmios ao longo de seus quase oito anos e digo com tranquilidade que hoje ele é sinônimo de um trabalho extremamente bem feito. A quarta expansão do jogo deve ser anunciada em fevereiro de 2021 se tudo der certo.

Pode só dar uma olhadinha?

Atualmente disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Mac e PC, FF XIV conta com o recurso do cross-play, ou seja, jogadores de todas as plataformas jogam juntos nos mesmos servidores. O game segue o modelo no qual é preciso comprar o jogo e pagar mensalidades para poder acessá-lo. Porém antes de gastar qualquer trocado o jogo oferece uma porção gratuita para teste bastante generosa, o chamado Free Trial.

O Free Trial dá acesso a todo o conteúdo da Starter Edition, que inclui o jogo base e a expansão Heavensward. O jogador tem acesso até o nível 60 e pode aproveitar tudo que é oferecido nessa fatia do bolo: a campanha principal, missões secundárias, classes, raças, dungeons, trials, raids etc. Sem brincadeira dá pra fazer mais de 100 horas de gameplay fácil, fácil. Parece bom demais para ser verdade? Mas o fato é que é mesmo! Claro que existem algumas limitações para contas gratuitas:

  • O Free Trial vale apenas para novas contas. Não há limite de tempo mas, uma vez que você compre o jogo, independente da época, não pode voltar para essa categoria;
  • Não é possível criar grupos (é possível aceitar convite de outros jogadores);
  • Não é possível criar Linkshells (é possível aceitar convite de outros jogadores);
  • Não é possível enviar convites de amizade (é possível aceitar convite de outros jogadores);
  • Não é possível enviar /tell (mensagem privada) para outros jogadores. Contudo você pode receber mensagens privadas;
  • Não é possível entrar em Free Companies (guildas);
  • Não é possível negociar com outros jogadores (trade) ou acessar o Market Board;
  • O limite máximo de Gil é 300 mil.

Para ter acesso ao Free Trial é preciso criar uma conta Square Enix e baixar o jogo na plataforma de interesse:

Aqui uma observação importante. Se você pretende jogar o Free Trial pelo Steam, crie sua conta da Square Enix pelo laucher do jogo no Steam. Ao criar sua conta direto pelo site do jogo, a Square Enix vai contar seu cadastro como a versão Windows, que é diferente. Ai vai ter que baixar o jogo pelo site do Final Fantasy XIV.

Caso tenha pulado esse passo relaxa que não é o fim de tudo. Você consegue converter o Free Trial Não-Steam para o jogo comprado pelo Steam ao inserir a Game Key no site. Esse será o único momento que conseguirá mudar de versão no PC.

Uma vez tudo criado, você terá que associar a licença do Free Trial a uma Conta de Serviço dentro da conta Square Enix. Na primeira vez isso deve ser um processo fácil, quase automático. É um recurso mais voltado para quem deseje mais de uma licença de jogo dentro da mesma conta. Nada com o que se preocupar agora.

Vale notar que apesar de ser cross-play, as licenças de jogo de PlayStation e PC são separadas e você deve pegá-las individualmente, caso seja de seu interesse.

Hora do investimento

Certo, você testou o jogo, gostou e tem vontade e disponibilidade de comprar, qual o caminho que você deve seguir? Vamos tirar essa dúvida.

Como já dito lá em cima a Starter Edition oferece o mesmo conteúdo do Free Trial. Ao adquiri-lo, a maior diferença será remover as limitações das contas de teste abordadas anteriormente – todo seu progresso no Free Trial é mantido. Para mais conteúdos,  é necessário adquirir também a expansão Endwalker ou já pegar o pacote completo de uma vez. É interessante avaliar seu ritmo de jogo e sua carteira para identificar qual a melhor opção para você.

Note quer que frequentemente os jogos entram em promoção nas lojas virtuais. Importante ressaltar também que embora o jogo seja cross-play cada compra só dá direito ao acesso para sua respectiva plataforma. Confira:

Ao comprar o jogo ganhamos 30 dias de acesso. Depois disso é preciso pagar a mensalidade. E quanto é o preço? A resposta é “depende”. O jogo oferece vários planos e valores. mas para nós brasileiros a melhor opção sem dúvida é pagar pelo método de Renovação Automática usando a carteira do Steam, que sai entre R$28 a R$32, dependendo do tipo de conta . Para explicar os detalhes temos um guia específico só para fazer o pagamento pelo Steam. E sim, jogadores de PlayStation também podem aproveitar desse recurso.

Por fim vale mencionar que o jogo também é vendido pela loja da Square-Enix. Particularmente não recomendo a compra por lá devido aos valores em dólar e ela não se integrar com a versão do Steam no que diz respeito a compra de expansões e método de pagamento.

Hora de jogar… aonde?

Para fechar esse primeiro artigo, uma das perguntas mais enigmáticas para quem vai começar em um MMORPG: qual servidor criar seu personagem? Bom, novamente a resposta é “depende”.

O ideal para nós aqui do Brasil é criar em algum servidor localizado nos 3 Data Centers da América do Norte, por conta da qualidade de conexão. Cada Data Center possui atualmente 8 servidores. A população de cada mundo é algo que varia bastante e não é raro algum ser fechado para criação de novos personagens e ser reaberto um ou dois dias depois.

Caso já tenha amigos que joguem, a recomendação óbvia é criar um personagem junto a eles. Se você está chegando agora vou deixar a recomendação do Behemoth, que é o servidor que possui a maior comunidade de brasileiros atualmente. Outros mundos dentro do Data Center Primal também tem boas comunidades de compatriotas.


Espero que esse primeiro texto ajude de alguma forma quem tiver interesse para começar a jogar Final Fantasy XIV. Passando essa parte, já temos um segundo posts, para dar uma ideia inicial das raças e classes disponíveis. Lembrando que qualquer dúvida, só falar com a gente por aqui ou nas redes sociais!



Bruce

Jornalista, Game Designer e perito na arte das piadas de qualidade questionável. Adora sofrer em soulslike, perder horas em jRPGs e passar a vida no Final Fantasy XIV

2 thoughts on “Final Fantasy XIV: Primeiros passos para chegar em Eorzea

Fechado para comentários.